Pesquisa Dieese mostra aumento da cesta básica em 11 capitais em maio

O custo médio da cesta básica aumentou em 11 das 17 capitais brasileiras analisadas em maio, de acordo com a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos do Dieese.

Porto Alegre, afetada por chuvas, teve a maior alta com 3,33% em relação a abril. Florianópolis (2,50%), Campo Grande (2,15%) e Curitiba (2,04%) também registraram aumentos. Belo Horizonte (-2,71%) e Salvador (-2,67%) tiveram as maiores quedas.

O arroz foi um dos principais responsáveis pelo aumento, com preços subindo em 15 capitais, de 1,05% em Recife a 16,73% em Vitória. As enchentes no Rio Grande do Sul, principal produtor de arroz, reduziram a oferta, causando aumentos mesmo com importações.

A Conab realizou um leilão para comprar 263,3 mil toneladas de arroz importado, visando reduzir o preço interno.

São Paulo teve a cesta mais cara, custando R$ 826,85, seguida por Porto Alegre (R$ 801,45) e Florianópolis (R$ 801,03). No Norte e Nordeste, os menores valores foram em Aracaju (R$ 579,55), Recife (R$ 618,47) e João Pessoa (R$ 620,67).

Entre maio de 2023 e 2024, todas as capitais tiveram alta no preço da cesta, exceto Goiânia, que variou -0,05%.

Com base na cesta mais cara de São Paulo, o Dieese estimou que o salário-mínimo deveria ser de R$ 6.946,37, ou 4,92 vezes o atual mínimo de R$ 1.412,00.

Em Porto Alegre, as chuvas dificultaram a pesquisa de preços. A equipe do Dieese conseguiu visitar quase todos os supermercados analisados, exceto um afetado pela enchente. Apenas 73% das padarias e açougues foram visitados. Houve problemas de logística, com interrupções em rodovias e alagamentos em estoques, mas a situação deve melhorar com a normalização do fluxo de transporte e distribuição.

Avalie o Post post

Mostre mais

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo