DestaqueManchetesMundoNotícias

Jornais de Goiás – O Irã diz que deixará o tratado nuclear global se o caso for para a ONU

O Irã disse na segunda-feira que poderia abandonar o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP), se os países europeus o encaminharem ao Conselho de Segurança da ONU por um acordo nuclear, uma medida que derrubaria a diplomacia em seu confronto com o Ocidente.

O TNP de 1968 é a base do controle global de armas nucleares desde a Guerra Fria, incluindo um acordo de 2015 assinado pelo Irã com potências mundiais que lhe ofereceu acesso ao comércio global em troca de aceitar restrições ao seu programa atômico.

O destino do pacto de 2015 está em dúvida desde que o presidente dos EUA, Donald Trump, retirou os Estados Unidos e reimponha as sanções. O Irã respondeu diminuindo seus compromissos, embora diga que deseja que o pacto sobreviva.

Grã-Bretanha, França e Alemanha declararam o Irã violando o pacto de 2015 na semana passada e lançaram um mecanismo de controvérsias que poderia eventualmente levar a questão a remeter ao Conselho de Segurança e à reimposição de sanções da ONU.

“Se os europeus continuarem com seu comportamento inadequado ou enviarem o arquivo do Irã ao Conselho de Segurança, nos retiraremos do TNP”, disse o ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, segundo comentários da IRNA e de outras agências de notícias iranianas.

Ele também disse que o Irã poderia tomar outras medidas antes de se retirar do TNP, embora ele não as especifique.

A disputa nuclear está no centro de uma escalada entre Washington e Teerã, que explodiu em confronto militar nas últimas semanas.

O NPT, de 190 membros, proíbe outros signatários além dos Estados Unidos, Rússia, China, Grã-Bretanha e França de adquirir armas nucleares, em troca de permitir-lhes prosseguir programas nucleares pacíficos para geração de energia, supervisionados pelas Nações Unidas.

O único país a declarar sua retirada do TNP foi a Coréia do Norte, que expulsou inspetores nucleares e testou abertamente armas atômicas. A Índia e o Paquistão com armas nucleares nunca se inscreveram, nem Israel, que não diz se possui armas nucleares, mas acredita-se que as possua.

O Ocidente há muito tempo acusa o Irã de tentar desenvolver armas nucleares. Teerã nega isso e diz que seu objetivo é dominar todo o processo de geração de eletricidade a partir da energia nuclear.

Uma escalada constante sobre os planos nucleares do Irã explodiu em ação militar de tit-tat-tat este mês, com Trump ordenando um ataque por drone que matou um importante general iraniano, levando o Irã a disparar mísseis contra alvos dos EUA no Iraque. Durante um estado de alerta, o Irã abateu um avião ucraniano por engano.

Em meio a essa escalada – uma das maiores desde a revolução do Irã em 1979 – Teerã enfrentou uma pressão crescente dos estados europeus que dizem querer salvar o acordo nuclear de 2015. Eles também indicaram disposição para apoiar o apelo de Trump por um acordo mais amplo com o Irã que vá além de seus planos nucleares.

PRESSÃO MÁXIMA

“Apesar da má vontade que vemos em alguns países europeus, a porta das negociações com eles não foi fechada e a bola está na corte desses países”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Abbas Mousavi.

Mas ele também disse em uma entrevista coletiva: “Não acho que o Irã esteja pronto para negociar nas condições que eles têm em mente”.

Desde que Washington se retirou do acordo, Trump iniciou uma política de “pressão máxima”, dizendo que um acordo mais amplo deveria ser negociado em questões nucleares, programa de mísseis do Irã e atividades iranianas no Oriente Médio.

As sanções dos EUA prejudicaram a economia do Irã, cortando suas exportações de petróleo. O Irã há muito tempo diz que não negociaria com Washington enquanto as sanções estivessem em vigor.

Teerã manteve repetidamente conversas com autoridades européias para encontrar formas de manter vivo o acordo nuclear, mas culpou os europeus por não garantirem os benefícios econômicos que o Irã deveria receber em troca de restringir o trabalho nuclear.

“As alegações das potências européias sobre o Irã violar o acordo são infundadas”, disse Mousavi. “Se o Irã diminuirá ainda mais seus compromissos nucleares dependerá de outras partes e se os interesses do Irã estão garantidos pelo acordo.”

Em um relatório em um site parlamentar, o ministro das Relações Exteriores do Irã disse que as medidas para reduzir seus compromissos sob o acordo nuclear estão encerradas.

A Grã-Bretanha disse que um “acordo de Trump” poderia substituir o acordo de 2015, e a França pediu amplas negociações para acabar com a crise.

O Irã diz que não pode negociar com Trump, que quebrou as promessas repudiando o acordo alcançado com seu antecessor Barack Obama. Mousavi repetiu a rejeição do Irã a um “acordo de Trump”.

“O fato de o nome de uma pessoa ser colocado em um acordo mostra que ela não está familiarizada com as condições. Um acordo com uma pessoa não significa nada ”, disse ele.

Tags
Mostre mais

# Caik

Caik é jornalista.

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar