Brasil brilha na COP 28 com avanços sustentáveis na agropecuária e novos programas do Mapa

As iniciativas do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) do Brasil, focadas na sustentabilidade, foram destacadas na 28ª Conferência das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP 28), realizada em Dubai. O evento, ocorrido no último domingo (10), foi uma vitrine para as conquistas brasileiras na agropecuária sustentável.

Roberto Perosa, Secretário de Comércio e Relações Internacionais do Mapa, marcou presença em debates cruciais. Ele abordou temas de relevância global com líderes, instituições financeiras e ONGs, focando em como a agricultura pode contribuir para a redução do desmatamento e para a segurança alimentar.

No painel “COP para COP: Impulsionando o progresso na Declaração dos Sistemas Alimentares dos Emirados Árabes Unidos”, Perosa destacou o compromisso do Brasil em diminuir o desmatamento e em implementar o novo programa de recuperação de pastagens degradadas. A liderança do presidente Lula nos compromissos climáticos do país também foi enfatizada.

A Reunião Ministerial do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) abriu espaço para discussões sobre integração agrícola regional e cooperação técnica. Nesse contexto, Perosa ressaltou o crescimento da agropecuária brasileira, apoiada pela tecnologia e inovação, e enfatizou o papel da Embrapa e os compromissos do Brasil no Programa Nacional de Conversão de Pastagens Degradadas (PNCPD).

No painel “Semeando Prosperidade: Ações do Setor Agroindustrial para Enfrentar Desafios Climáticos e Capturar Oportunidades”, a integração da sustentabilidade nas políticas do Mapa foi um tema chave. Perosa comentou sobre o êxito do Plano Safra e do Plano ABC+ em alinhar práticas agropecuárias sustentáveis com resultados positivos.

No Painel Diálogos de Produção Sustentável, Marcel Moreira, diretor de Promoção Comercial e Investimentos do Mapa, destacou a eficiência do Brasil na produção de algodão e carne bovina sustentáveis. O país é líder em algodão certificado, graças a práticas que favorecem o sequestro de carbono e a redução de gases do efeito estufa. Na indústria de carne bovina, esforços conjuntos do Mapa e do setor privado garantem sustentabilidade e rastreabilidade.

Marcel enfatizou o compromisso do governo com a sustentabilidade no setor agropecuário, ressaltando a colaboração entre governo e iniciativa privada para avançar na sustentabilidade e transparência das cadeias produtivas. Ele também apontou o potencial do Programa Nacional de Conversão de Pastagens Degradadas, que visa incorporar 40 milhões de hectares em áreas de agricultura, intensificando a produção sem afetar áreas de vegetação nativa preservadas.

Avalie o Post post

Mostre mais

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo