CiênciaDestaqueManchetesMundo

Jornal VER7 – 1,2 bilhão de crianças ameaçadas pela guerra, pobreza, discriminação, diz estudo

Níger é o país no qual as crianças enfrentam as maiores ameaças de conflito, pobreza e discriminação, Save the Children diz

Mais da metade das crianças do mundo estão ameaçadas por conflitos, pobreza ou discriminação sexual, disse a Save the Children em um relatório publicado na quarta-feira.

Intitulado “Muitas Faces de Exclusão”, o estudo classificou 175 países em termos de ameaça de trabalho infantil, exclusão da educação, casamento infantil e gravidez precoce.

A pesquisa descobriu que 1,2 bilhão de crianças em todo o mundo correm risco de pelo menos uma das três principais ameaças.

Oito dos 10 países que tiveram pior classificação para as crianças foram na África Ocidental e Central, com o maior nível de ameaça no Níger.

Em contraste, Cingapura e Eslovênia foram classificadas como os países com menor incidência de tais problemas.

“Mais da metade das crianças do mundo começam suas vidas retidas porque são meninas, porque são pobres ou porque estão crescendo em uma zona de guerra”, disse Helle Thorning-Schmidt, diretora executiva da entidade.

“Os governos podem e devem fazer mais para dar a cada criança o melhor começo possível na vida”, acrescentou.

“O fato de que países com níveis semelhantes de renda apresentam resultados tão diferentes para as crianças mostra que a política, o financiamento e o compromisso político fazem uma diferença crítica”.

O relatório afirma que mais de um bilhão de crianças vivem em países atingidos pela pobreza e 240 milhões em países afetados por conflitos e fragilidades.

Mais de 575 milhões de meninas vivem em países “onde o viés de gênero é um problema sério”, descobriu.

Cerca de 20 países, incluindo o Sudão do Sul, Somália, Iêmen e Afeganistão, são responsáveis ​​por 153 milhões de crianças que vivem sob as três ameaças de trabalho infantil, exclusão da educação e casamento infantil.

Mostre mais

# Caik

Caik é jornalista.

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo